Política de defesa, segurança internacional e Forças Armadas Brasileiras no contexto sub-regional

Cláudio de Carvalho Silveira

Resumen


Este texto é uma abordagem de determinadas questões sobre segurança internacional e defesa na América Latina, enfatizando a inserção do Brasil no contexto sub- -regional da América do Sul. Ele trata de temas sobre as bases de atuação das Forças Armadas brasileiras, num contexto de cooperação no período pós-ditatorial, durante os anos 1980 até 2016, com a queda do governo Dilma Rousseff. Neste sentido, o trabalho analisa algumas das principais questões do Estado, da política e do contexto internacional ao fim do século XX e início do século XXI. Considera-se aqui a necessidade de articulação entre a política externa e as características da política de defesa brasileira, os interesses nacionais, a realidade hemisférica, a modernização da capacidade militar e os princípios de cooperação com os países sul-americanos. Estes temas são aqui pensados dentro de um quadro de criação de objetivos e mecanismos de cooperação, como a segurança coletiva e cooperativa e a importância de instituições como o MERCOSUL e a UNASUL.


Palabras clave


Brasil, América Latina, política externa e política de defesa, forças armadas, cooperação sub-regional, segurança coletiva e cooperativa, democracia

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias


Amorim C. (2016), A grande estratégia do Brasil: discursos, artigos e entrevistas da gestão no Ministério da Defesa (2011–2014), Editora UNESP, São Paulo.

Alsina J. P. JR (2009), O poder militar como instrumento de política externa, “Revista Brasileira de Política Internacional”, ano 52, no 2, pp. 173–191.

Aguilar S. L. (2007), Políticas de defesa e orçamentos militares no Cone Sul, em: Defesa, Segurança Internacional e FFAA, I Encontro da ABED, M. C. D’Araujo, S. Soares, S. K. Mathias (eds.), Mercado de Letras, Campinas.

Ayerbe L. (2004), Dimensões histórico-culturais da ordem internacional: A América Latina e a “ocidentalização” do mundo, em: Ensaios Latino-Americanos de Política Internacional, R. D. Villa, S. K. Mathias (eds.) Hucitec, São Paulo.

Bandeira L. A. M. (2009), Geopolítica e política exterior: Estados Unidos, Brasil e América do Sul, FUNAG, Brasília.

Buzan B., Hansen L. (2012), A evolução dos estudos de segurança internacional, São Paulo, Editora UNESP.

Buzan B., Weaver O., de Wilde J. (1998), Security: A New Framework for Analysis, Lynne Rienner, London.

Caamaño L. (2010), Conflictos regionales y armamentismo en América Latina, em: Luces y sombras de la seguridad internacional en los albores del siglo XXI, Tomo II, M. Requeña, (ed.) IUGM- UNED, Madrid.

Cervo A. (2008), Inserção internacional: formação dos conceitos brasileiros, Saraiva, São Paulo.

Correa P. G. (2014), MINUSTAH e diplomacia solidária: criação de um novo paradigma? em: Haiti: Segurança ou desenvolvimento no início dos anos 1990, V. B. Matijascic (ed.), Editora Appris, Curitiba.

Dreifuss R. A. (1993), O mar e a marinha no contexto das tendências de estruturação do novo cenário mundial, “Premissas”, cad. 4, agosto 1993, pp. 50–66.

Diamint R. (2001), Democracia y seguridad en América Latina, Nuevohacer & Universidad Torquato di Tella, Buenos Aires.

Freixo A., Rodrigues T. (2016), Introdução: Sobre crises e golpes ou uma explicação para Alice, em: 2016, o ano do golpe, A. Freixo, T. Rodrigues (eds.), Oficina Raquel, Rio de Janeiro.

Fuccille L. A. (2015), Apontamentos para pensar a segurança na América do Sul no século XXI, em: Perspectivas e debates em segurança, defesa e relações internacionais, D. Chavez, E. Winand, L. Pinheiro (eds.), Editora UNIFAP, Macapá, Autografia, Rio de Janeiro.

Giddens A. (2001), O Estado-nação e a violência, EDUSP, São Paulo.

Gonçalves W. da S., Miyamoto S., (2000), Militares, diplomatas e política externa no Brasil pós-64, em: Sessenta anos de política externa: Prioridades, atores e políticas, J. A. Albuquerque (ed.), EDUSP, São Paulo.

Halliday F. (1999), Repensando as relações internacionais, Editora UFRGS, Porto Alegre.

Jornal do Brasil, Brasil envia última tropa para missão de paz no Haiti http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2017/06/02/brasil-envia-ultima-tropa-para-missao-de-paz-no-haiti/. Consulta em 03.06. 2017.

Keohane R. (1992), Soberania estatal e instituições multilaterais: respostas à interdependência assimétrica, em: O futuro do Brasil: A América Latina e o fim da Guerra Fria, J. A. Moisés (ed.), Paz e Terra, Rio de Janeiro, EDUSP, São Paulo.

Lima M. R. S. de (2010), Diplomacia, defesa e a definição política dos objetivos internacionais: O caso brasileiro, em: Segurança internacional: Perspectivas brasileiras, N. Jobim, S. Etchegoyen, J. P. Alsina JR (eds.), FGV, Rio de Janeiro.

Lora M. (2010), Seguridad cooperativa en América Latina, em: Luces y sombras de la seguridad internacional en los albores del siglo XXI, Tomo II, M. Requeña (ed.), IUGM-UNED, Madrid.

Mann M. (1992), O poder autônomo dos Estados: Suas origens, mecanismos e resultados, em: Os Estados na história, J. Hall (ed.), Imago, Rio de Janeiro.

Ministério da Defesa (2012), Política Nacional de Defesa & Estratégia Nacional de Defesa, http://www.defesa.gov.br/arquivos/estado_e_defesa/END-PND_Optimized.pdf. Consulta em 18.12.2015.

Ministerio de Defensa Argentino (2014), Informe: Política Nacional de Defensa, disponível em: www.mindef.gov.ar. Consulta em 15.10.2014.

Ministerio de Defensa (2005), La Defensa nacional. Aportes para un debate. Consulta em 31.10.2014.

Negri A., Hardt M. (2000), Empire, Paris, Exils.

Nogueira M. A. (2007), Dissuasão e coerção: o emprego da força pelo Estado, em: Defesa, segurança internacional e FFAA, I Encontro da ABED, M. C. D’Araújo, S. A. Soares, S. K. Mathias (eds.), Mercado de Letras, Campinas.

Pecequilo C. S. (2003), As faces e consequências do terror: de 11/09 à Doutrina Bush, “Idéias”, ano 10(2), pp. 55–82.

Pecequilo C. S. (2008), A política externa do Brasil no século XXI: Os eixos combinados de cooperação horizontal e vertical, “Revista Brasileira de Política Internacional”, ano 51, no 2, 2008, pp. 136–153.

Ramonet I. (1998), Geopolítica do caos, Vozes, Petrópolis.

Rouquié A. (1984), O Estado militar na América Latina, Alfa-Ômega, São Paulo.

Saint-Pierre H. L., Winand E., Pereira C. J. (2004), Compassos e descompassos da cooperação em segurança entre Brasil e Argentina, em: Ensaios latino-americanos de política internacional, R. D. illa, S. K. Mathias (eds), Hucitec, São Paulo.

Schultz D. (1999), The Role of the Armed Forces in the Americas: Civil Military Relations for the 21st Century, Institute for National Strategic Studies, Washington D. C.

Silva G. do C. e (1981), Conjuntura nacional, o poder executivo & geopolítica do Brasil, José Olympio Editora, Rio de Janeiro.

Silveira C. de C. (2016), A formação dos oficiais da Marinha do Brasil: educação, profissão, pensamento estratégico (1978–2001), Novas Edições Acadêmicas, Saarbrücken.

Silveira C. de C. (2015), A presença da Marinha do Brasil na Amazônia, “Paiaguás: Revista de Estudos sobre a Amazônia e o Pacífico” vol. 1, no 1, fevereiro-julho de 2015, pp. 82–101.

Silveira C. de C. (2012), Derechos humanos y violencia en Rio de Janeiro: ¿para qué sirven los militares? em: Gobernabilidad y democracia: defensa y transiciones de Brasil y España, S. Alda, H. L. Saint-Pierre (eds.), RIL Editores, Santiago de Chile.

Silveira C. de C. (2011), Política internacional e cultura de defesa na Marinha do Brasil e na Armada Espanhola, “Mural Internacional”, ano II, no 1 junho de 2011, pp. 49–56.

Silveira C. de C. (2016b), Construção da identidade e educação militar brasileira no início do século XXI, em: Militares e democracia: estudos sobre identidade militar, S. K. Mathias, D. Zirker (eds.), Cultura Acadêmica, IPRI-UNESP, São Paulo.

Silveira C. (2014) Visões sobre o Atlântico Sul e a presença da Marinha do Brasil na Antártida, “Revista Brasileira de Estudos Estratégicos”, Instituto de Estudos Estratégico da Universidade Federal Fluminense, Ed. no 4, vol. I, pp. 339–358.

Soares T. (1972) História da formação das fronteiras do Brasil, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro.

Soares S. (2012) Las percepciones sobre amenazas y cooperación en las políticas de defensa de Argentina, Brasil y Chile, em: Gobernabilidad y democracia: defensa y transiciones de Brasil y España, S. Alda, H. L. Saint-Pierre (eds), RIL Editores, Santiago de Chile.

Tokatlian J. G. (2002) Colômbia: Mais insegurança humana, menos segurança regional, “Contexto Internacional”, vol. 24, no 1, janeiro/junho, pp. 129–166.

Tulchin J., Bitencourt L. (2005) Mercosur and the Creation of the Free Trade Area of the Americas, Woodrow Wilson Center for Scholars, Washington D.C.

Vargas A. (2010) Introducción, em: Inseguridad en la región amazónica: Contexto, amenazas y perspectivas, A. Vargas (ed.) Universidad Nacional de Colombia, Bogotá.

Vizentini P. (2003) Política de defesa e segurança do Brasil para o século XXI: soberania, questão amazônica e integração sul-americana, em: Política de defesa para o século XXI, A. Rebelo, L. Fernandes, Câmara dos Deputados, Brasília.

Vidigal A. A. (1996) O emprego do poder naval no limiar do século XXI, “Premissas”, caderno 12, abril de 1996, pp. 33–78.

Waltz K. (1959) El hombre, el Estado y la guerra, Editorial Nova, Buenos Aires.

Tilly C. (1996) Coerção, capital e Estados europeus, EDUSP, São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.17951/al.2018.6.235-261
Data publikacji: 2019-02-05 09:32:43
Data złożenia artykułu: 2019-02-05 09:09:56

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Cláudio de Carvalho Silveira

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.